domingo, fevereiro 12, 2012

Fundamentos Teóricos e Metodológicos da Alfabetização


Questionário N1





1)     Quais são os fatores determinantes da ampliação dos índices de alfabetismo no Brasil. Justifique.

1 – desenvolvimento econômico: ampliou as necessidades de domínio do processo produtivo por parte do trabalhador, o que implica que lhe cabe tomar decisões e operar com protocolos que supõem a capacidade de leitura e de escrita;

2 – intenso processo de urbanização: a vida na cidade, em função das formas de produção, socialização, circulação e delimitação das ações em tempos e espaços preciso, assim como pela forma de funcionamento da cultura, tem a cultura escrita em sua base;

3 – desenvolvimento da tecnologia: com a enorme ampliação dos meios de comunicação e de objetos e produtos que foram incorporados tanto ao cotidiano quanto ao processo produtivo, para poder operar com essa tecnologia a pessoa precisa dispor de um significativo domínio da leitura e da escrita. A tecnologia e as mudanças nos padrões de vida implicaram, inclusive, numa gigantesca ampliação de oferta de produtos da escrita. Todas as relações sociais e comerciais são mediadas pelos impressos;

4 – escolarização universal: mesmo com pouca qualidade e com padrões diferenciados em função das disponibilidades econômicas e políticas das diversas classes sociais, a escola tornou-se uma instituição central na inserção dos sujeitos no sistema produtivo e na lógica de funcionamento da sociedade urbano-industrial.



2)     Quais as recomendações que o autor Luiz Percival L. de Brito faz quanto ao livro didático e aos demais materiais industrializados?

Cabe redefinir o lugar dos materiais didáticos industrializados. Não é o caso de banir o livro didático, mas de definir uma perspectiva de ensino em que este livro não é suficiente. Ele pode servir de roteiro ou base para os trabalhos de grupo, mas não substitui a leitura regular de outros textos. Estabelecido o assunto a ser trabalhado, os estudantes devem ter acesso a uma diversidade de textos e descobrir suas respostas a partir de uma leitura intensa.



3)     A palavra humana faz homens e mulheres, inspirados na ingenuidade de uma criança, serem capazes de rir, de conhecer-se, comunicar-se, de partilhar e disputar. Justifique o papel da linguagem para o ser humano.

A linguagem é o principal meio, instrumento de comunicação entre os seres humanos. É através dela que o homem interage com a sociedade, demonstra seus sentimentos, sua necessidade, questiona sobre o que necessita saber, faz acordos com os que o rodeia. A língua é o símbolo da consciência humana, de sua própria existência e da existência de todas as coisas, ela faz parte da gente e é o que nos faz ser gente.



4)     Atualmente o que implica dizer que uma pessoa é alfabetizada?

Atualmente, ser alfabetizado implica algo mais que o simples conhecimento das letras, é mais do que simplesmente ser capaz de escrever o próprio nome e de reconhecer símbolos isolados, como se fossem desenhos. É alfabetizada a pessoa que consegue tanto ler quanto escrever com compreensão uma frase simples e curta de sua vida cotidiana, que consegue ler e escrever um bilhete simples. Ler e escrever tem a função de comunicar algo. A pessoa é alfabetizada se ela tiver compreensão do que ela lê ou escreve, se houver sentido, comunicação no que foi lido ou escrito.



5)     Luiz Percival Leme Brito cita, que são três as práticas de uso da linguagem que devem ser compreendidas como complementares. Quais são essas práticas e que recomendações ele faz?

1 – práticas de leitura de texto: correspondem ao conjunto de atividades de estudos, investigação, pesquisa de um conteúdo a partir de textos, curtos ou longos, informativos, analítico-expositivos, polêmicos, instrucionais ou ficcionais, enfim, aqueles que estejam disponíveis aos estudantes, seja uma leitura autônoma ou uma leitura assistida.

2 – práticas de produção de texto: correspondem a toda ação de redigir que o estudante ou o grupo realize nas atividades de estudo, entremeadas de leituras, pesquisas, enquetes ,experiências, entre outros.

3 – práticas de análise lingüística: saber usar a escrita implica aprender seu funcionamento e saber usar os recursos. O domínio dos recursos da escrita se adquire essencialmente no uso e na reflexão sobre o uso, em todas as atividades desenvolvidas com os alunos, em todas as áreas de conhecimento. As atividades de análise lingüística são um momento privilegiado de indagação e investigação nas formas de funcionamento da linguagem, oral e escrita, de descoberta de suas regras, seu padrões e sentidos, da variedade de possibilidades de falar e escrever, dos gêneros em que se organizam os discursos, dos estilos e intenções dos autores.



6)     O texto literário por suas características é aquele em cuja forma há, normalmente, maior investimento subjetivo por parte do autor e sua leitura é instrutiva tanto do ponto de vista da descoberta como do conhecimento de mundo, o que justifica sua inserção no universo escolar. Justifique a inserção de textos literários ao estudante, desde as séries iniciais.

Admitindo que os gêneros de escrita têm organização sintático-semântica e discursiva própria, pode-se oferecer ao estudante, desde as séries iniciais, textos que vão além do seu universo imediato. Os estudantes devem ter acesso a uma diversidade de textos e descobrir suas respostas a partir de uma leitura intensa. O texto literário é uma produção de arte e, por isso, sua leitura vai tornar o leitor também um criador. Criar, quando se lê literariamente um texto, significa se apropriar de uma linguagem artística em sua riqueza, em sua beleza, em suas possibilidades de ampliação de horizontes e de percepções diferenciadas de mundo.
 

7)     João Wanderley Geraldi postulou uma concepção de ensino de uma língua-leitura e de escrita centrada em práticas linguísticas, abandonando por completo a perspectiva de uma aprendizagem passiva e mecânica de um sistema e de um conjunto de regras. Explique como se deve dar a aprendizagem de uma língua.

A aprendizagem de uma língua não se dá por treinamento, mas pelo seu uso real em situações interlocutivas várias, nas quais falantes e ouvintes são muito mais que emissores e receptores de mensagens. É a partir do fazer coisas com a língua falada e escrita, isto é, do seu uso real e contextualizado que se produz o conhecimento e a aprendizagem.





8)     A correção linguística é eficiente não porque defende a língua contra o que chamam de agressões ao idioma, mas porque sustenta uma concepção de língua e um valor linguístico. Justifique essa citação.

Sua eficiência não está em manter a unidade linguística nacional nem em contribuir para o uso eficiente das formas linguísticas, mas sim em criar um padrão que reforça uma ideologia cultura que sustenta e reproduz privilégios. Por isso mesmo, ela se manifesta nos locais em que há variação, principalmente nos quais a variação corresponde a uma marca sociocultural.



9)     Britto apresenta alguns equívocos em relação a escrita que ainda possuem em nossos dias. Como ele classifica o ato de ler? Justifique.

(3º equívoco) Restringindo a leitura às atividades de decodificação, desconsidera-se a condição específica dos discursos de escrita, que apresentam organização distinta da oralidade. De fato, o mundo da escrita organiza um mundo próprio, complementar e não apenas reprodutor das formas de oralidade e dos conteúdos típicos da vida cotidiana. Todo o conhecimento organizado do mundo ocidental é escrito e, para dominá-lo, mesmo que parcialmente, é imprescindível o manuseio dos discursos que o compõem.


Contribuição Andrea Korn


ATENÇÃO: CORES DIFERENTES, RESPOSTAS DIFERENTES PARA A MESMA PERGUNTA!

A palavra humana faz homens e mulheres inspirados na ingenuidade de uma criança, serem capazes de rir, de conhecer-se e comunicar-se, de partilhar e disputar.Justifique o papel da linguagem para o ser humano
A linguagem é a maior criação da inteligência humana, pois, é uma forma de acessar o mundo e o pensamento, tomando possível compreender e apreender as características dos fatos e objetivos da realidade. O mais significativo é que a língua faz parte da gente e é que os faz ser gente. Por isso podemos dizer que conhecer a língua raciocinar sobre uso e forma é uma maneira de conhecer a própria condição humana, sua história, suas culturas e sua razão de ser.
O texto literário por suas características é aquele em cuja forma há, normalmente, maior investimento subjetivo por parte do autor e sua leitura é instrutiva tanto do ponto de vista da descoberta como do conhecimento de mundo, o que justifica sua inserção no universo escolar. Justifique a inserção de textos literários ao estudante, desde as séries iniciais.
A criança deve ter contato desde cedo com o mundo da escrita. Os textos literários ampliam a visão da realidade e são referências de uso da leitura e escrita em práticas sociais de modo que ler para a criança não seja uma simples decodificação.
A inserção de textos literários ao estudante desde as series iniciais é importante pois através deles realizamos uma reflexão, podemos realizar a analise de elementos coesivos, procurar a sequencia lógica, pode substituir as redundâncias, analisar se a pontuação  esta correta enfim é possível reescrever o texto e desta forma os alunos poderão aprimorar sua fala e escrita.
Estes textos são inseridos aos estudantes da series iniciais desde que se abandone a pedagogia do gostoso e ofereça textos [as crisnças que vão além de seu universo para que essa leitura seja realmente de descoberta e de conhecimento de mundo].
A correção linguística sistemática é eficiente não porque defende a língua contra o que chamam de agressões ao idioma, mas porque sustenta uma concepção de língua e um valor linguístico. Justifique essa citação.
A correção linguística teria como objetivo manter a unidade nacional da língua, já que em um país como o nosso se fala de modo diferente nas várias regiões. Há de se lembrar porém que não falamos como escrevemos nem escrevemos como falamos, desta forma a correção linguística não pode gerar preconceitos nem tão pouco servir de instrumento de opressão.
Sua eficiência não esta em manter a unidade de linguística nacional nem em contribuir para o uso eficiente das formas linguística, mas sim em criar um padrão que reforça uma ideologia cultural que sustenta e reproduz privilégios. Não existe uma língua perfeita, cada região tem característica própria de sua língua. A correção linguística sistemática é eficiente devido ao fato de aceitar as variações linguísticas, o valor que cada variação possui, independente de ser uma linguagem formal ou popular, sustentando assim a concepção da língua que é composta pelas mais diferentes formas (oral e escrita, formal e popular, etc.).
Brito, apresenta alguns equívocos em relação a leitura e escrita que ainda possuem em nossos dias. Como ele classifica o ato de Ler? Justifique.
Ler é interagir com um texto elaborado dentro de normas específicas. Há, entretanto a leitura autônoma e a leitura mediada sendo que esta é uma pratica capaz de levantar pessoas que não sabem ler – adultos ou crianças – à pratica da leitura também.
Ler é, acima de tudo interagir com discursos elaborados dentro de regras especificas, com sintaxe, léxico e universo de referencia. A criança ou qualquer outra pessoa mesmo que não consiga ler com seus próprios olhos ela faz uso da leitura quando alguém com maior conhecimento e domínio da leitura lê para ela um texto em voz alta, uma pessoa pode entrar no mundo da leitura apenas ouvindo um texto.
Luiz Percival Leme Brito cita, que são três as pratica de uso da linguagem que devem ser compreendida como complementares. Quais são essas praticas, e que recomendação ele faz?
As praticas são: 1 A leitura e a escrita no conhecimento escolar não deve se limitar as disciplinas de língua portuguesa ou alfabetização, tudo precisa da escrita; 2 A aprendizagem da leitura e da escrita deve se dar em função do uso, no uso e na reflexão sobre o uso esta a melhor possibilidade de desenvolver os conhecimentos de leitura  e escrita: 3 Projeto de estudo, levam a aprender com conhecimento e a aprender a estudar, estudando.
João Wanderley Geraldi postulou uma concepção de ensino de uma língua-leitura e de escrita centrada em práticas linguísticas, abandonando por completo a perspectiva de uma aprendizagem passiva e mecânica de um sistema e de um conjunto de regras. Explique como se deve dar a aprendizagem de uma língua.
O estudo da língua-leitura não pode ser ensinado como um produto acabado, fechado em si mesmo, pois esta sempre em construção e devemos considera-la em sua historicidade. É a partir do fazer coisa, com a língua falada e escrita, isto é, do seu uso real e contextualização que se produz o conhecimento e a aprendizagem.
Aprender a língua escrita não é decorar regras de gramatica ou de formas de uso, mas sim usar a escrita para viver, fazer coisas, pensar. A leitura e escrita na escola não devem limitar-se a aulas de português. A aprendizagem da leitura e da escrita deve se dar em função do uso, Projetos de estudo levam com conhecimento e a aprender a estudar estudando.
Quais as recomendações que o autor Luiz Percival Leme de Brito faz quanto ao livro didático e aos demais materiais didáticos industrializados?
Cabe redefinir o lugar dos materiais didáticos industrializados. Não é o caso de banir o livro didático, mas de definir uma perspectiva de ensino em que este livro não é suficiente. Ele pode servir de roteiro ou base para os trabalhos do grupo, mas não substituir a leitura regular de outros textos. Os alunos devem ter acesso a vários textos e descobrirem suas respostas a partir de uma leitura intensa.
Boa parte dos textos à disposição dos alunos não contribui para a aprendizagem da boa escrita. São textos colados no senso comum, com marcado reducionalismo semanico e sintático, pressupondo uma competência mínima para a leitura. É a tentativa de permitir acesso imediato do aluno ao conteúdo diminuindo a importância do professor como mediador de aprendizagem. Essa perpectiva pouco contribui para desenvolvimento da capacidade de leitura do estudante, sendo criança ou adulto. O livro pode servir de roteiro ou base para trabalhos em grupo, mas não substituir a leitura regular de outros textos.
Que precisamos estar atentos para não tornarmos o ensino algo mecânico, enlatado, pronto, o professor precisa procurar aquilo que melhor se identifica com seus alunos e sua sala de aula, produtos industrializado se não foram analisados e em muitos casos moldados poderão levar o processo de ensino aprendizagem ao fracasso.
A correção linguística sistemática é eficiente não porque defende a língua contra o que chamam de agressões ao idioma, mas porque sustenta uma concepção de língua e um valor linguístico. Justifique esta citação.
É eficiente porque cria um padrão que reforça uma ideologia cultural que sustenta e reproduz privilégio, e isso se manifesta principalmente nos locais de grande variação e esta variedade, por razões históricas e sociais, tem acesso somente as classes mais privilegiadas, tendendo a ser considerada modelo de língua promovendo assim o preconceito e a discriminação.
Esta correção não tem como objetivo manter uma unidade linguística nacional, mas manter um padrão que reforça uma ideologia cultural.
A correção linguística teria como objetivo manter a unidade nacional da língua, já que em um país como o nosso se fala de odo diferente nas várias regiões. Há de se lembrar porem que não falamos como escrevemos nem escrevemos como falamos, desta forma a correção linguística não pode gerar preconceitos nem tampouco servir de instrumento de opressão.
Atualmente o que implica dizer que uma pessoa é alfabetizada?
Conforme a UNESCO alfabetizado é quem sabe ler e escrever pelo menos um bilhete simples.
A evolução do conceito do que seja alfabetizado e ampliação da demanda social pelo conhecimento e uso da escrita fizeram-se com que se postulasse  outro conceito o de Alfabeto funcional, que é capaz de compreender textos que participam de seu cotidiano, se consegue ler textos de ampla circulação utilizar para fins práticos informativos, instrucionais e de entretenimento, enfim se efetivamente usa a escrita e a leitura nas diversas situações em que isto lhe é requisitado.
O conceito de pessoa alfabetizada foi mudando ao longo do tempo. Antes bastava saber ler e escrever, mesmo que de uma forma limitada para que a pessoa fosse considerada alfabetizada. Hoje em dia para que uma pessoa seja considerada alfabetizada ela precisa de algo a mais, a pessoa precisa ser capaz de compreender os textos que participem do seu cotidiano, e seu conhecimento de leitura e escrita deve lhe possibilitar atuar na sociedade de cultura escrita, tem que saber ler e compreender os textos de um jornal ou revista, se sabe utilizar com finalidade diversos tipos de textos, enfim se consegue fazer uso da leitura e da escrita nas diversas situações em que isso lhe é requisitado.
Alfabetizada é a pessoa que consegue ler e escrever uma frase curta ou cumprida e que saiba interpretar, entender, compreender o que se está lendo. Que sabe escrever o seu próprio nome.
Alfabetizada é a pessoa que consegue ler e escrever uma frase curta ou cumprida e que saiba interpretar, entender, compreender o que se está lendo. Que sabe escrever o seu próprio nome.
Temos a linguagem oral e a escrita.
A escrita deve ser uma pratica constante em nossas vidas, aprendemos ler escrever para que possamos aprender e nos entreter, para algumas profissões é exigido à oralidade do que a escrita e outras o contrario

Quais os fatores determinantes da ampliação dos índices de alfabetismo do Brasil. Justifique.
O primeiro fator é o desenvolvimento com a ampliação e diversificação do capital e mais recentemente com  reestruturação do modelo de produção, em que importam mais os processos e a informação que as ações mecânics e repetitivas. O segundo fator foi o intenso processo de Urbanização por que passou o mundo todo inclusive os países periféricos entre eles o Brasil. A vida na cidade, em finção das formas de produção, socialização, circulação e delimitação das ações. Em tempo e espaços precisos.  Terceiro fator foi o desenvolvimento da tecnologia, com a enorme ampliação dos meios de comunicação de objetos e produtos que foram incorporados tanto em nosso cotidiano quanto no processo produtivo.
São quatro fatores determinantes: 1 desenvolvimento econômico- gerara necessidade de escolarização; 2 Urbanização – Criou um modo de vida em que a escrita se tornou mais presente e mais necessária e também um acesso mais fácil a escola; 3 Ampliação de oferta de produtos de escrita como jornais, revistas, livros, rádios, TV e outros; 4 Escolarização universal – A escola se tornou uma instituição central na inserção dos sujeitos no sistema produtivo e na lógica de funcionamento da sociedade urbana-industrial.
Desenvolvimento econômico e industrial no país geou necessidade de escolarização. Urbanização a escrita se tornou mais presente e necessária no cotidiano ampliação de oferta dos produtos como TV, revistas, jornais, livros, rádio e etc., não podemos esquecer-nos do desenvolvimento tecnológico que faz necessário aos indivíduos serem alfabetizados.
Luiz Percival Leme Brito define “que é em função da percepção do principio alfabético que muitas pessoas, principalmente quando estão aprendendo a escrever, contem erros de escrita”. Como Ele explica melhor esta citação?
Tudo consiste no não conhecimento da forma correta de se escrever, assim escreve-se da forma que se fala, suprindo ou acrescentando letras à palavra para torna-la tal qual se fala. Por exemplo, “corrupito” e “ábito”.
Como podemos reproduzir melhor o que falamos e como é chamado?
Transcrição é o nome dado ao texto que representa o texto falado. Neste tipo de escrita, escrevemos tal qual se fala com todas as suas características, inadequações e semântica. Quando o desejado é melhorar o texto falado, nos fazemos o processo de Retextualização,
Ao escrever como organizamos o texto?
O texto escrito é organizado em períodos, parágrafos, capítulos, partes.
Quais são as razões que tornam impossíveis a correspondência entre a fala e a escrita?
O texto falado tem características que não podem ser expressas em símbolos, tais como a gestualidade, os movimentos corporais, a entonação, o rítmo e a prosódia. Já o texto escrito possui características que não são possíveis de serem oralizadas como diferenças de letras, tamanho, cor e formato.
São duas as razões: a primeira é forma fluída e inconstante da fala, onde uma palavra pode ser dita de forma e situação diferente; a segunda é as diferentes formas de se dizer a mesma palavra, que varia conforme a região, a pessoa e até a classe social, não querendo dizer que alguma seja mais correra que outra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!

Postagem em destaque

Entre em contato e peça um orçamento!.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...